22 de mar de 2014

GENEROSIDADE, GRATIDÃO E INSPIRAÇÃO COMO ELEMENTOS PEDAGÓGIGOS



A profissão de professor é muito maldita no Brasil. As mazelas, os desafios e os fracassos são de conhecimento geral do povo. No entanto, há uma massa de loucos que ainda insistem nessa nobre tarefa. Dois anos atrás, o professor Gustavo Reis compartilhou sua experiência como professor e começou uma corrente de positividade em relação a essa profissão. Para aqueles que nunca tiveram a oportunidade de serem bons professores e ainda criticam os que preferem seguir essa profissão, fica a mensagem de um educador que resgata a paixão por estar em sala de aula:




"Me pediram para falar em inovação na educação. Fiquei imaginando o que seria inovar na educação para a maioria das pessoas. E cheguei à conclusão de que inovar na educação é simplesmente ensinar algo a alguém.

Muita gente jamais teve a experiência de ensinar algo para alguém e critica aqueles que decidem ser professor sem mesmo ter tido a experiência de ensinar alguém a fazer qualquer coisa. 

Quando vocês tentarem ensinar alguém, vocês verão que é impossível ser um bom professor sem se completamente generoso. Sem oferecer o melhor que a gente têm. Sem sonegar absolutamente nenhuma informação. E essa generosidade no alimenta e , não só isso, no momento em que somos . generosos, oferecemos as pessoas a oportunidade de expressar sua gratidão. Isso é absolutamente fantástico porque a gratidão e a generosidade criam um núcleo mágico, em que uma alimenta a outra. A gente se torna mais generosa à medida que as pessoas expressam a sua gratidão, e vice-versa. As pessoas são gratas, quanto mais generoso a gente é.  Como se não bastasse, as pessoas testemunham isso acontecendo e resolvem se inspirar e serem também generosa[...].

Inovar na educação é então um somatório, é um somatório da generosidade, da gratidão e inspiração. Experimentem, vocês que nunca deram aula para ninguém experimentem."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não me deixe pensar que sou o dono da verdade. A conversa continua nos comentários